Seu browser não suporta JavaScript!

13/04/2018 | Jornal O Dia

Campanha pelo Everest tem adesão de jogadores

Rio - Para evitar a demolição do campo de futebol do Everest, clube tradicional do Rio com sede em Inhaúma, na Zona Norte, jogadores, como Zico, mobilizam a internet com a campanha '#FicaEverest'. O espaço dará lugar a um projeto da prefeitura que prevê a construção de 500 apartamentos do programa Minha Casa Minha Vida. O objetivo do município é realocar dezenas de famílias que perderam tudo com as enchentes no início de março.

Uma audiência pública na Câmara dos Vereadores debateu o tema na quarta-feira. Presidente da Comissão de Esporte e Lazer, responsável pela realização da audiência pública na Câmara, o vereador Felipe Michel (PSDB), solicitou uma reunião de urgência com o prefeito do Rio Marcelo Crivella para discutir as circunstâncias sobre a demolição do campo em Inhaúma.  

"Precisamos não só manter o Everest, mas regularizar sua situação, para que ele possa continuar no seu lugar de história de 65 anos", afirmou Felipe Michel. "Os clubes de bairros são celeiros de craques e realizam ações nas áreas de esporte, lazer e cultura", completou o vereador.

O ex-jogador do Flamengo Zico também se posicionou contra o fim do campo de futebol. "O primeiro time que eu enfrentei com a camisa rubro-negra foi o Everest. Vamos preservar o que já foi, e pode continuar sendo bom para as futuras gerações", destacou o craque. O ex-atleta do Vasco Felipe, também ressaltou sua conexão com o local. "Eu fui criado perto de Inhaúma, onde fica o Everest. Joguei muita bola lá na minha infância. O Everest não pode acabar", declarou o jogador.Lei não permite construção

A ordem da prefeitura para a construção de apartamentos no lugar do clube foi determinada mesmo com a Lei 3372/02, do então vereador Otavio Leite, que declarou o campo como área Non Aedificandi. A nomenclatura significa que no local não pode haver construções.

O executivo municipal, no entanto, declarou através de nota que "o terreno onde está instalado o Everest Atlético Clube é uma área pública ocupada de maneira irregular". Caso a situação não seja contornada, a disputa pode parar na Justiça.

Espaço é o refúgio para crianças que vivem em comunidades

Em uma região onde existe falta de segurança e a habitação é precária, o Everest se tornou referência para a criançada que foge da violência diária. Aos pés do Complexo do Alemão, uma das áreas mais conflagradas do estado, o Everest Atlético Clube foi fundado em 1954.

Ao longo dos anos, amigos e muitos sócios lutaram para que o espaço não fosse fechado. Por ali treinaram muitos atletas, entre eles o meia-atacante Vitinho, que teve uma passagem meteórica e brilhante pelo Botafogo em 2013 e até hoje está no CSKA Moscou, na Rússia.

"Aqui é a minha casa. Queremos voltar com a grandeza do Everest para onde ele nunca deveria ter saído. Há três anos sou presidente e aqui temos amigos apaixonados pelo futebol e pelo time", disse, emocionado, Marcos Vieira Mendes.

O ex-jogador do Vasco Pedrinho também fez coro à manutenção do campo do Everest através das redes sociais. "Estou abraçando a causa. Muitos jogadores já passaram por aquele lugar. Ali, crianças podem jogar, praticar esporte e ter um momento de lazer. Fica Everest", discursou.